Os idiomas do Reino Unido

Para os olhos do restante do mundo, o Reino Unido é um país cujo idioma é o inglês e a capital é Londres. Para o Reino Unido, porém, o Reino Unido é uma uniao formada por 4 países, 4 capitais e com 6 idiomas, se contarmos a Ilha de Mann, que nao é parte do Reino Unido mas é uma província oficial.

Pode ser supresa pra muita gente, mas o inglês nao é a única língua oficial da Gra-Bretanha. Além dele, no Reino Unido cada um dos 4 países que formam a uniao (Inglaterra, País de Gales, Escócia e Irlanda do Norte) possuem o seu próprio idioma e sao extremamente orgulhosos dele. No País de Gales, o galês é língua oficial; na Escócia, o escocês; na Irlanda do Norte, o irlandês; em Cornwall (Inglaterra), cornês e na Ilha de Mann, manx.

O que eles tem em comum? Todas as 5 línguas sao celtas e estao entre as línguas mais velhas do mundo, datando 3 mil anos atrás!

Aqui no País de Gales, por exemplo, o galês é presente em todos os lugares. Nao apenas em órgaos do governo, mas também em lojas do comércio, em comerciais na TV, nos correios, nas propagandas do Spotify, nos caixas eletronicos, no Tesco, na Primark, nos bancos…a lista vai longe.

Reino Unido e Irlanda em seus respectivos nomes célticos

Reino Unido e Irlanda em seus respectivos nomes celtas

O inglês, obviamente, é falado em todos os lugares do Reino Unido, mas é possível encontrar vilas e cidades pequenas em várias partes das ilhas que falem galês, escocês, cornês ou irlandês fluentemente! O País de Gales é o país que mais preservou o seu idioma original, o galês. O interior e o norte do País de Gales é praticamente “English free“.

Dias atrás eu conheci uma galesa, do norte, que aprendeu inglês apenas depois dos 7 anos, pois era obrigatório na escola, já que em sua casa o galês é o idioma oficial. Minhas housemates também, quando vao para casa, ambas do sul do país, tem que falar em galês com os avós.

Séculos atrás, quando a uniao nao era tao estabelecida e conflitos aconteciam o tempo todo, a Inglaterra proibiu o uso dos outros idiomas na ilha, com o intuito de proteger o inglês e torná-lo o idioma oficial. Deu certo, mas nos últimos 30 anos, o Reino Unido, com a ajuda da Uniao Européia, tem se esforcado para recuperar e reviver os outros idiomas originais da ilha, pois finalmente entendeu que mais línguas faz o Reino Unido ainda mais rico culturalmente!

O número de falantes do idiomas celtas na Gra-Bretanha e na Irlanda ainda nao é enorme, mas vem crescendo a cada dias gracas a quantidade de novas escolas bílingues e `a investimentos do governo na preservacao dos idiomas.

Fontes:
http://www.englishmonarchs.co.uk/celts_22.html
http://www.fr.brezhoneg.bzh/136-a-few-information-for-english-people.htm

Afinal, porque o País de Gales não está na Union Jack?

A Union Jack, nome da famosa bandeira azul, branca e vermelha que representa o Reino Unido para o restante do mundo, nem sempre foi como a conhecemos hoje. A história da bandeira comecou em 1606, quando os entao Reino da Inglaterra e Reino da Escócia, depois de décadas de batalhas sem nenhum vencedor, decidiram se juntar politicamente e criar o Reino da Grã-Bretanha.

Para oficializar a união, eles decidiram juntar as duas distintas bandeiras em uma só. E foi assim que a primeira Union Jack foi criada. Porém, foi só em 1707, através de uma proclamacao da Rainha Anne, que a bandeira foi oficializada como bandeira oficial da Grã-Bretanha.

Primeira bandeira da Grã-Bretanha

Primeira bandeira da Grã-Bretanha

Pulando quase um século para frente, em 1801, a Irlanda, até então apenas domínio do reino britanico, tornou-se parte do reino, ganhando “voz” no parlamento pela primeira vez desde a invasao, em 1169. Para celebrar a nova uniao, a Irlanda foi incorporada `a Union Jack e a bandeira ganhou o design que conhecemos hoje.

Union Jack como conhecemos hoje

Union Jack como conhecemos hoje

Mas e o País de Gales, por que nao faz parte da bandeira, mesmo sendo um membro oficial do Reino Unido?

A resposta é simples, tanto a Escócia, como a Irlanda, foram incorporadas ao Reino Unido por meio de uma uniao política, com os dois lados concordando e assinando um documento. O País de Gales nao teve essa sorte, já que foi conquistado por forca pela Inglaterra em 1277, tornando-se entao uma regiao da Inglaterra, ao invés de um país.

Mais ou menos como aconteceu com a Catalunya, na Espanha.

O status de país só foi devolvido ao País de Gales no século XIX, quando o reino britanico estava no seu auge, com domínio sobre 1/4 do planeta, tornando a Union Jack uma das bandeiras mais temidas e respeitadas do mundo, razao pela qual não fazia nenhum sentido alterá-la.

Inclusive, a bandeira do País de Gales (abaixo) só foi reconhecida oficialmente pelo governo britanico em 1959, até esse dia, os galeses eram oficialmente representados pela bandeira da Inglaterra, mesma que a bandeira galesa já estivesse na ativa desde 1806.

I'm the mother of DRAGONS - Bandeira do País de Gales

I’m the mother of DRAGONS – Bandeira do País de Gales

E assim é até hoje.

Rápida visita à Sligo e algumas reflexões

Nao parece, mas já fazem cinco meses que deixei a minha vida na Irlanda e me mudei para o Reino Unido. Nesses cinco meses eu vivi muita coisa legal aqui em Cardiff, mas a saudade da Irlanda, principalmente de Sligo, vira e mexe bate na minha porta. Devido a isso, e `a minha solidao natalina, resolvi comprar passagens e ir passar o Natal em Sligo, com amigos queridos.

Foi uma viagem super curta, de apenas 4 dias. Sai de Cardiff as 6h da manha do dia 24 e sai de Dublin as 21h do dia 27.

Passei 3 dias inteiros em Sligo, onde fiquei no mesmo apartamento onde morei e passei um dia em Dublin, onde pude botar o papo em dia com a Bárbara e de quebra visitar a casa da Tarsila e conhecer o baby Otto, que eu ainda nao tinha conhecido.

Osta Café e meu antigo apartamento.

Osta Café e meu antigo apartamento.

O mais interessante dessa viagem, além do fato de eu ter revisto meus queridos amigos de Sligo e ter curtido uns dias maravilhosos com eles, foi que, assim como quando eu voltei ao Brasil pela primeira vez, essa viagem me mostrou que aquela fase acabou.

A saudade que sinto de Sligo é nostálgica, mas nao é dolorida. Nesses dias que estive lá, eu sorri lembrando de cada memória que fiz naquela cidade, mas nao me imaginei, em momento nenhum, as vivendo novamente.

Esses poucos dias lá me mostraram que eu fiz, sim, a escolha certa em deixar Sligo para trás e me mudar para Cardiff. Pretendo visitar Sligo novamente no futuro e quero muito levar a minha mae lá, mas nao consigo me ver vivendo em Sligo novamente.

Diferenças entre Irlanda e Reino Unido

Quando me mudei pra Irlanda, como a maioria das pessoas que lá chegam ou visitam, tinha em mente que a Ilha da Esmeralda era praticamente a mesma coisa que seu vizinho, o Reino Unido. Sempre soube que a Irlanda é independente e nunca a confundi como parte do Reino Unido, mas culturamente falando, sempre acreditei que ela era extremamente parecida com a Terra da Rainha Elizabeth.

E eu, como a maioria das pessoas, nao estava errado. As ilhas da Irlanda e da Grã-Bretanha sao realmente muito parecidas. Paisagens, clima, idioma, arquitetura, pratos típicos, estilo de vida, moda, esportes, cortes de cabelo e etc.

Irlanda e Reino Unido

Irlanda e Reino Unido

Essa semelhança cultural toda se deve ao fato de a Inglaterra ter exercido domínio sobre a Irlanda por mais de 800 anos e de ainda exercer tal domínio sobre a Irlanda do Norte, País de Gales e Escocia. Porém, mesmo com tantas semelhanças, sao nas diferenças que eles se tornam diferentes naçoes.

Como a Irlanda se tornou independente do Reino Unido há 100 anos atrás, as diferenças entre eles acabaram aumentando, por isso nesse primeiro post, vou apontar as diferencas que notei entre Irlanda e o Reino Unido como um todo. Quem sabe num proximo eu aponto as diferenças entre Irlanda e País de Gales.

Contas de casa: enquanto a galera na Irlanda está reclamando por ter que comecar a pagar a água, aqui no Reino Unido as familias pagam, além de água e energia, gás e council tax, que é uma taxa cobrada pela prefeitura para manter a cidade limpa e segura.

Pluralidade cultural: ainda é novidade na Irlanda encontrar alguém de 20 poucos anos de um etnia diferente que seja irlandes. Por aqui, nao dá saber quem é estrangeiro e quem nao é. Eu mesmo, já cai na mancada de perguntar “where are you from” pra alguém que nao parecida britânico, mas que nasceu aqui.

Negocios “reais”: aqui tem alguma coisa “real” em cada esquina.

Serviços e concorrencia: na Irlanda, geralmente existem apenas duas ou tres empresas de cada servico. As vezes, apenas uma, como é o caso dos onibus e dos trens. Por aqui, existem pelo menos umas quatro pra cada coisa. Sao várias empresas de onibus operando, quatro ou cinco de trem, muitos bancos diferentes, muitas companhias de celular, mais de duas empresas de energia elétrica e muitos supermercados e lojas.

Horário dos bancos: os bancos no Reino Unido abrem em horário comercial, das 9h as 17h. Alguns deles, inclusive, abrem aos sábados! Na Irlanda, eles abrem das 10h as 16h, como no Brasil.

Precos: pra quem ganha o salário minimo irlandes, €8.65 por hora, viver na Irlanda – nao em Dublin – nao é tao caro. Já quem ganha o minimo aqui, de £6.75, nao tem a mesma sorte, já que os precos praticamente sao bem similares com os precos irlandeses, mas ao invés de €, sao £.

Chá: aparentemente, cada regiao do Reino Unido tem o seu chá preferido e aqui no País de Gales, quem reina é o PG Tip. Nao encontro Lyons ou Barrys de jeito nenhum!

Populaçao: a Ilha da Esmeralda tem populacao total de 6 milhoes, sendo 1.5 milhao na Irlanda do Norte e 4.5 milhoes na Republica da Irlanda. O Reino Unido, no total, tem uma populacao estimada de 70 milhoes.

Supermercados: a Irlanda tem LIDL, ALDI, M&S, Dunnes Stores, Supervalu e Tesco. Aqui, além de LIDL, ALDI e M&S, também tem ASDA, Waitrose, Sainsbury’s, Morrisons, Ocado, Co-Operative e Heron.

Serviço de saude: graças ao NHS, a saude no Reino Unido é publica a todos os residentes no país. Na Irlanda, a saude é paga.

Política: no Reino Unido, a Rainha Elizabeth é oficialmente a dona de tudo. Absolutamente tudo. Do dinheiro, das casas, das fazendas, dos animais e até das árvores. Mas como nao vivemos mais na era medieval, ela nao abusa do poder e “repossessa” nada. O Parlamento Britânico funciona como se fosse o roda de conselheiros da Rainha, enquanto o Primeiro Ministro é o “mao do Rei”. A Irlanda, assim como o Brasil, é um Republica.

Por ora, essas sao as diferencas que notei. Se voce sabe de mais alguma, comente e me conte!

It’s time to say goodbye

Dois anos e três meses depois, chegou a hora de dar adeus à Sligo, essa cidade maravilhosa que me acolheu de braços abertos e que me ensinou uma nova definição pra palavra casa. Eu poderia escrever um texto enorme aqui, mas vou apenas copiar, colar & traduzir o que postei no Facebook ontem.

Sligo aconteceu na minha vida de um jeito bem inesperado: recebei uma ligação dizendo que consegui um emprego e tal emprego era em Sligo. Arrumei minhas coisas, pulei no busão e me mudei pra essa cidade com meu curacao aberto. No começo Sligo era apenas esse lugar calmo onde eu estava trabalhando e iria melhorar meu ingles…mas com o passer dos dias ela cresceu em mim e hoje ela é muito mais do que isso.

IMG_0708

Sligo é a minha casa. Sligo e seu cenário maravilhoso são parte de quem eu sou e eu serei sempre grato por isso. Eu vou sentir saudade de cada minuto vivido aqui. Sentirei falta da vista do meu caminho pro trabalho. Da trilha do lado do rio Garavogue. Sentirei falta das minhas corridas no Doorly Park. Sentirei falta de olha pra Benbulben da janela do escritório. Sentirei falta do Ben, o cavalo-branco-unicórnio. Sentirei falta da vista da praia de Rosses Point. Sentirei falta de cada único detalhe de Strandhill. Sentirei falta de escalar Knockarea. Sentirei falta da vista que temos quando dirigimos pro interior. Sentirei falta de olhar o Lago Gill. Sentirei falta do cara que canta as mesmas músicas todos os dias no Garavogue. Sentirei falta de morar no lugar lugar da cidade. Sentirei falta de comer no Knox, Bistro, Donnaghys, Shells, Osta, A Casa Mia, Belfry, Rugantino e tantos outros.

IMG_0735

Mas acima de tudo, sentirei saudades das pessoas de Sligo.

Pra todos vocês que fizeram a minha vida aqui mais fácil, seja por ser legal comigo, por me corrigir, por ser simpatico ou apenas por me ajudar com alguma peuquena coisa, muito obrigado…como Yeats disse “não existem estranhos aqui, apenas amigos que você ainda não conhece”. Sligo me provou isso.

Estou super ansioso ~pela vida que me espera mas eu quero que todos vocês saibam que Sligo tem um lugar enorme no meu coração.

Recomeço professional como nômade digital

O dia hoje foi um daqueles dias de fechamento de ciclo, de balanço e porque não, de recomeço. Hoje eu disse tchau para o melhor emprego que já tive na vida e pra empresa que mais me envolvi.

Hoje, 820 dias depois, eu me despedi da Good4U.

Não vou mentir e dizer que estou triste, porque não estou. Estou super feliz! Saí em ótimos termos e tenho toda a certeza de que deixei uma porta aberta caso eu venha a precisar. Também não vou ser ingrato e dizer que não vou sentir falta de lá, porque eu vou. E muito.

A Good4U foi a primeira empresa que trabalhei que eu de fato, 100%, acredito na missão e nos produtos. Pela primeira vez na vida eu senti que meu trabalho como designer/comunicador tinha um efeito positivo nas pessoas e isso foi incrível!

Foram 2 anos e pouco de muito aprendizado, de muitos erros, de muitos acertos, muito suor e muito tempo envolvido, mas que agora precisam sair de cena pra dar espaço ao mestrado e à mais aprendizado.

Nem tudo são lágrimas no final, pois a Good4U está se atualizando constantemente e resolveu dar uma chance ao trabalho remoto e fazer um teste comigo me mantendo como um profissional remoto. Acordamos um número de horas reduzidas e assim que eu chegar em Cardiff, vou começar a trabalhar pra eles remotamente, meu primeiro passo rumo a ser um nômade digital.

Estou super feliz com a possibilidade de começar minha caminhada como nômade digital com um cliente que eu conheça tão bem e claro, de começar meu mestrado sabendo que vai ter dinheiro entrando.

Setembro vai começar com tudo.

excited

10 coisas que sentirei falta da Irlanda (e de Sligo)

Estou super ansioso pra me mudar pra Cardiff, mas ao mesmo tempo super triste de deixar Sligo e a Irlanda. Por isso decidi fazer esse TOP 10 de coisas que vou sentir falta daqui, pra ter ainda mais razões pra voltar.

1. Benbulben (e o Ben)
Cardiff é uma cidade grande super privilegiada geograficamente, é cercada por montanhas e possui uma das costas mais belas do Reino Unido…mas não tem Benbulben e nem o Ben.

Benbulben é uma das montanhas mais famosas da Irlanda e fica aqui em Sligo, mas precisamente de frente para a janela do escritório onde trabalho. Ben é o unicórnio cavalo branco que mora na frente dela e que faz essa paisagem abaixo ser real TODOS OS DIAS.

Por mais bela que Cardiff seja, acho difícil eu dar essa sorte de novo.

benbulben-sligo

2. Barry’s Tea
A Irlanda é o país que mais consome chá no mundo e não é a toa, os caras sabem fazer o troço. Barry’s Tea é a marca mais famosa por aqui, é o chá da família tradicional irlandesa, o queridinho da mamãe e infelizmente, não está disponível no Reino Unido.

3. Música irlandesa
Ainda não fiz minha lição de casa na música galesa, mas aposto um pint de Guinness que não é tão legal quanto a irlandesa.

4. Usar ‘craic’ no dia-a-dia
Craic é uma palavra que aprendi na minha primeira semana na Irlanda e que desde então, faz parte do meu vocabulário diário. Não tem jeito melhor de conectar com um irlandês do que usando craic. Usar craic no meio de uma conversa com o irlandês te conecta com ele, do mesmo jeito que brasileiro se conecta com gringo quando eles aprendem a sambar ou aprendem a pronunicar “ão” corretamente.

5. Paddy’s Day
Saint Patrick’s Day ou São Patrício, como preferir. O dia de santo – que não tem nada a ver com o dito – mais celebrado do mundo. No País de Gales o Paddy’s Day não é celebrado como aqui na Irlanda, lá eles celebram o Saint David’s Day…mas que nem de longe é tão craic quanto Paddy’s Day.

6. O humor do irlandês
Não sei como é o humor do galês, mas se for um pouquinho que seja parecido com os vizinhos ingleses, sentirei muita falta do humor irlandês. Irlandês é o povo mais sarcástimo que já conheci e que tira sarro de si mesmo com uma maestria única.

7. A simplicidade do euro
A libra vale mais que o euro e isso não tem discussão, mas você já tentou contar 3,85 em moedas britânicas? O Reino Unido inventou o sistema mais confuso do mundo pra suas moedas e é tão, mas tão complicado.

8. Não ter que decorar o código postal
O único lugar na Irlanda que tem código postal é Dublin, que possui um sistema super simples. O resto do país não tem, o carteiro sabe onde a gente mora. Lá no Reino Unido tudo vem seguido de código postal e já estou sofrendo pra decorar o meu.

9. O sotaque irlandês
A Irlanda tem muitos sotaques diferentes, mas que cruzam-se entre si e formam um sotaque “padrão”. Esse sotaque “padrão”, que vai desde o “S” super arrastado de Sligo ao “U” com som de “O” com batata na boca de Dublin, foi votado o mais sexy do mundo e eu adoro.

10. Stranhill
Strandhill é uma vila que fica há 7km de Sligo town, onde moro. A vila fica de frente pro mar e tem a sua direita, a montanha Benbulben e a sua esquerda, a montanha Knocknarea. É o melhor gateaway da região e é tão…linda. Sentirei falta de dar um pulo lá depois do trabalho ou em um sábado a tarde.

strandhill_sligo