48 horas em Bristol – Parte I

Moro em Bristol há apenas um mes, e durante esse tempo tenho explorando a cidade em um ritmo mais lento, conhecendo um pouquinho a cada dia. Fiz uma lista de coisas que gostaria de ver, visitar ou fazer e fui aos poucos “ticando” as coisas da lista.

Esse era o plano, até receber uma mensagem no Facebook da minha prima T., que está passando um mes em Dublin e resolver cruzar o Irish Sea pra me conhecer pessoalmente pela primeira vez.

Isso mesmo, uma prima (da mesma cidade, diga-se de passagem) que eu nunca havia conhecido pessoalmente. A estória do porque é longa e vou poupá-los, apenas dizendo que estou muito feliz de ela ter enviado aquela mensagem e vindo me visitar.

E nao tem nada melhor do que ser guia turístico pra alguém por alguns dias pra nos fazer conhecer mesmo a nossa cidade, nao é mesmo?

Nos encontramos por volta das 11h da manha de sábado e, diferente do que os dois pensavam, nosso encontro nao teve nada de awkward. Temos tanto em comum que o clima ficou super agradável e familiar rapidinho.

Comecamos turistando pelo Cabot Circus, o maior shopping center de Bristol, que ocupa umas duas quadras inteiras e é todo aberto, porém coberto. Ele nao tem porta de entrada ou saída, é como se uma área de duas quadras exclusivamente comerciais fossem ligadas pelo teto, mas sem portas. É bem diferentao e interessante!

De lá, seguimos em direcao ao Centro Velho, que é onde a cidade de Bristol comecou. Pra chegar lá, passamos pelo Bear Bit, uma rotatória de nível abaixado, com pistas de skate, muito graffiti e uma vibe super hipster. Passeamos pelo Castle Park, onde fica a igreja de St. Peters, e seguimos rumo ao St Nicholas Market, o mercadao de Bristol, que é tao interessante que vou escrever um post só sobre ele.

Passamos um tempo lá e como o tempo estava muito feio, resolvemos visitar o Bristol Museum, que fica na parte alta da cidade. Pra chegar lá passamos pela Queen Square e pelo College Green.

O museu de Bristol nao é incrível, mas é bem interessante e em um dia de chuva, é um passeio bem legal de fazer. Depois de um tempo no museu, estávamos com fome e fomos comer em uma rede local do sudoeste da Inglaterra, o Boston Tea Party, que oferece um servico muito bom á um preco bem bacana.

De barriga cheia, fomos andar mais e dessa vez cruzamos o centro velho e fomos andar pelo Rio Avon, passando pelo recém renovado Harbourside, Welsh Back (que é tipo um Temple Bar) e chegamos até o S.S. Brunel, um museu-barco, contando a história do porto de Bristol, mas como o ticket era bem salgado (£16), apenas passamos na frente.

Cansados de tanto andar debaixo de chuva constante, queríamos algo mais sossegado pro fim do dia e assim que escureceu, fomos pro cinema assistir Coco, a nova animacao da Pixel.

Guardei a parte mais legal de Bristol para o segundo dia, mas essa parte do role eu conto no próximo post.


7 comentários sobre “48 horas em Bristol – Parte I

  1. Já fui pro Reino Unido, Londres e Brighton. Fiz intercâmbio em brighton no meio do ano passado, só me dá cada vez mais vontade de conhecer cada pedacinho do Reino Unido. Sou apaixonada por lá

Deixe uma resposta para Adriano Donato Couto Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.