A Irlanda e os “Irish travellers”

Provalvemente você já ouvi falar dos knackers, essa galera legal de moletom que atacam as pessoas sem motivo aparente e não gostam nem um pouco de estrangeiros, certo? E dos “travellers”, você já ouviu?

Segundo o Wikipedia os travellers são um tipo de ciganos irlandeses, mas bem diferentes do cigano original, que é da Romênia. Os “irish travellers” possuem características próprias, vivem uma cultura totalmente diferente da cultura irlandesa comum e podem até falar outros dialetos, misturando irlandês com inglês. No passado eles eram conhecidos como “knackers”, mas hoje em dia a expressão “knacker” foi emprestada pra qualquer baderneiro de moletom nesse país e não tem mais nada a ver com os travellers.

A primeira que eu ouvi um irlandês me falar desses travellers eu até assustei, pois não imaginava nada do tipo aqui na Irlanda. O irlandês de um modo geral teme muito os travellers, pois eles são conhecidos por não terem muitos princípios fora da sua comunidade, ou seja, eles apenas respeitam outros travellers.

Hoje em dia eles não viajam mais, pois não faz mais sentido como fazia décadas atrás, mas eles estão por aí. O censo de 2006 computou quase 30 mil travellers vivendo na Irlanda, alguns deles aqui em Sligo, em uma vila perto do The Model.

O povo traveller possue várias características, entre elas: deixar a escola aos 16 anos; casar-se entre primos; casar por volta dos 17 anos; trabalhar com trabalhos braçais ou em fazendas; ser violento; considera-se traveller e não irlandês; e não gostar de banho (sic sic sic).

Um dia, indo pra Dublin, um rapaz sentou na minha frente e começou a puxar papo comigo. Perguntei seu nome e ele logo disse: Oi, meu nome é Fulano (esqueci o nome dele) e eu sou um traveller.

Gelei, né? Mas como eu estava no trem, continuei a conversa com o menino.

Fomos o caminho todo quase conversando e eu acabei constatando que muita das características dos travellers são verdadeiras. Ele tinha 16 anos e tinha deixado a escola em julho, pois iria se casar em alguns meses com sua prima, que também é traveller e mora em Dublin. Era por isso que ele estava no trem.

Perguntei pra ele como ele sabia que ele era um traveller e ele apenas me disse: nós sabemos, quando você nasce traveller, você morre traveller. Perguntei também sobre a questão da escola e ele me disse que não conhece nenhum traveller que tenha continuado com os estudos, mas que ele nem se importa com isso, pois é assim que as coisas são.

À essa altura eu já não estava mais com medo dele e continuei perguntando, acredito que por eu ser estrangeiro e não irlandês, ele achou legal responder. O próximo tópico foi o casamento, que aqui é legal apenas com 18 anos. Ele me disse que o governo abre uma exceção pra quem é traveller e eles podem casar legalmente com 16 anos.

Travelers4

Por um lado a conversa com ele me chocou, pois a maneira como ele descreveu a vida dele, o futuro dele e tudo que é, apenas por ser traveller, me fez pensar em uma vida meio “A Vila”, em que você não pode sair daquele lugar onde você nasceu. Ou até mesmo “Jogos Vorazes” e “Divergente”, onde não existe uma outra possibilidade de vida a não ser aquele que você nasceu com.

Por outro lado, depois dessa conversa eu só tive certeza que todo esse medo do irlandês com o traveller é apenas uma medo do diferente, da minoria, do menos “qualificado” e “socializado”. A mesma coisa que brasileiro tem com favelado, especialmente com negro e favelado.

Depois desse episódio a minha vida seguiu bem e eu nunca mais vi um traveller, até domingo passado, ao descer da estação de trem em Sligo.

Eu estava com meu amigo e assim que saímos da estação e viramos à esquina da avenida, trombamos com três. Eles estavam bêbados e resolveram que seria legal dar um susto na gente. Tentaram pegar a minha bolsa e claro, eu corri. Correram atrás de mim, me empurraram na parede e ameaçaram me bater, mas não bateram. No fim me deixaram ir, fui socorrido por alguns estudantes que viram e que confirmaram que eles eram travellers.

Eu poderia agora dizer que todo traveller é violento, agressivo e merece ir pra cadeia. Mas e aquele menino do trem? Ele não me fez nada. Assim como a gente pode continuar discorrendo o discurso de que favelado é bandido.

Tem traveller violento? Tem.
Tem favelado bandido? Tem.

Mas tem traveller decente, assim como tem favelado decente.

Não vou mentir, vou tomar mais cuidado daqui pra frente, mas não vou discorrer o discurso que nenhum deles presta, porque não é verdade.

Anúncios

10 comentários sobre “A Irlanda e os “Irish travellers”

  1. Parabénsss pelo seu blog!!! Sou super antenada e estou sempre à procura de mais e mais e mais informações…E só agora tive a felicidade de te encontrar !!!!! Amo a Irlanda, já estive ai passando férias , mas agora estou me preparando para uma temporada maior..,,bjoss!!!

    1. Oi, Laís! Ai que comentário gostoso de ler! Obrigadão, viu! Vou sempre tentar manter aqui o mais atualizado possível e sempre com conteúdo bom!

      Bjo!

  2. Me pareceu semelhantes aos nossos ciganos, aqui no interior de SP quando criança havia váarios deles, acampavam em qualquer lugar com suas barracas.

  3. O meu esposo trabalha numa empresa aqui em Cork e há Travellers morando por ali….de vez em quando dá problema. A policia tem de ser chamada…..
    Há um filme recente sobre esse tema. http://www.youtube.com/watch?v=ORN9o3SUBRg
    É muito bom e fala sobre essa cultura da violência deles.
    Foram sempre muito marginalizados e hoje em dia o governo dá certas isenções fiscais para empresas que contratem travellers, estimulando assim sua inserção na sociedade.

  4. Rick, que post sensacional!!!! Eu adorei!

    Em minhas pesquisas e leituras de mil blogs antes de vir pra Irlanda, nunca tinha ouvido falar em traveller. Nunca! Aliás, tô aqui tentando imaginar de onde esse povo surgiu e como tornaram-se travellers…

    Fiquei preocupada quando você contou o que aconteceu no domingo, espero que não aconteça mais!

    1. Que bom, Babs! Já fazia tempo qu eu nao falava dessas irlandezices! Eu tb nunca ouvi falar em blog..ouvi falar tendo contato com eles mesmo..a Zoe me falava bastante, Killian já me falou, pessoa no trampo sempre fala…eles usam traveller no contexto que brasileiro usa “neguinho da favela”.

      Espero que os travellers se se recoloquem na sociedade, né?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s