Faculdade na Irlanda

No Brasil a gente termina o colegial, faz 1, 2, 3, 4, 5, 6 vestibulares diferentes e entra na faculdade. Também temos a possibilidade de fazer o ENEM no último ano do colegial e caso tenhamos uma boa pontuação, podemos utilizar a nota para pular o vestibular de algumas universidades públicas (nem todas aceitam), ou ainda usar a nota pra aplicar pro ProUni, no caso de uma universidade particular, certo?

Mas a regra geral ainda é: vestibular.

E como é na Irlanda?

Observação importante: esse post não é oficial e eu não fui muito a fundo na pesquisa do tema, apenas troquei ideia com alguns amigos irlandeses que estudaram aqui e eles me explicaram como funciona o sistema.

Como vocês já deve saber, o ano acadêmico nessa lado do mundo começa em setembro e vai até julho, diretão. Eles tem um break de Natal, Ano Novo, Páscoa e só. Em julho (começo do verão) o ano letivo acaba e eles estão de férias até o começo de setembro. Aí eles viajam, vão passar um tempo fora, vão trabalhar em bar, pub, café, restaurante e fazer alguma coisa legal.

No último ano do colegial, que aqui é apenas chamado de ‘secondary school’ (equivalente ao high school americano) eles tem que tomar algumas decisões, que começam no início do 2º semestre, fim de janeiro.

A primeira decisão é preencher a ‘application sheet‘, que é o primeiro passo pra universidade. Essa ‘folhinha’ vai conter os dados escolares do aluno e apenas 10 opções de cursos e universidades. Sim, apenas 10.

Essa ‘application’ vai ser enviada para o CAO (Central Applications Office) órgão responsável pelas aprovações nas universidades, que diferente do Brasil, não aplicam o vestibular. Elas escolhem seus alunos baseados em sua nota no ‘Leaving Certificate’, que é a segunda e maior preocupação do formando irlandês.

Sim, parecem os NOM's de Harry Potter
Sim, parecem os NOM’s de Harry Potter

O ‘Leaving Certificate’ é uma espécie de ENEM e acontece no final de maio, início de junho. Nada mais é do que um super prova com todas as matérias que eles cursaram durante toda a vida. Boa pontuação no ‘Leav Cert’ (como eles chamam), significa uma boa chance de entrar em uma boa universidade e de cursar um bom curso.

A grande diferença é que esse exame é obrigatório e é o ÚNICO caminho pra universidade, ou seja, eles fazem uma única prova, se esforçam SUPER pra tirar excelentes notas e usam essa nota pra ir pra faculdade.

Se você está seguindo meu raciocínio, percebeu que a aplicação pra faculdade foi feita em fevereiro, mas a prova foi feita em junho. Pera, tem coisa errada aí!

Não, não tem. Essa é a maior pegadinha. O aluno precisa escolher o curso e a faculdade bem antes de fazer a prova. Cursos mais tradicionais e em universidades mais conceituadas exigem uma pontuação maior, cursos menos procurados e em universidades menos conceituados, menos pontos.

Nessa hora o aluno tem que fazer um avaliação muito sincera de si mesmo, de sua capacidade e caso ele almeje algo que ele ainda não está preparado, é hora de estudar e se dedicar mais.

Eles encaram isso com um incentivo do tipo: quero ir pra faculdade A, fazer o curso X, então eu preciso ir muito bem no ‘leav cert’.

O resultado do ‘Leaving Certifcate’ chega no começo de agosto para os alunos e em menos de uma semana, chegam as cartas de aprovação, já que o sistema é integrado. Aquela folhinha que eles mandaram pro CAO, foi enviada para as universidades junto com as notas e a universidade aceitou ou não o aluno.

Algumas universidades maiores, como o Trinity e a UCD, também aceitam as aplicações inloco, sem a ajuda do CAO, cabe ao aluno decidir isso.

Aprovado na universidade é hora de pagar o fee. Aqui não existe ensino superior gratuito como no Brasil, mas isso não significa que todo mundo tenha que pagar. Existem diversos programas de benefício e muitos irlandeses são beneficiados com eles.

Funciona mais ou menos assim: quem pode pagar, paga e quem não pode, o governo ajuda.

No geral, eu achei o sistema daqui bem melhor. Gostaria que no Brasil fosse assim, sem vestibular e o ENEM fosse de fato o nosso ‘leav cert’. Sem contar o fato de que quem pode pagar, pagar e quem não pode, ter ajuda.

Afinal, não tem nada mais desigual do que uma pessoa estudar a vida toda em escola privada e fazer faculdade pública e quem fez escola pública, ter que pagar pra fazer faculdade. Mas isso é papo pra outro post.


6 comentários sobre “Faculdade na Irlanda

  1. Achei as suas colocações finais um tanto quanto equivocadas. Não considero, do modo como entendi, o sistema irlandês melhor, muito pelo contrário! Ter uma única forma de acesso ao ensino superior é atrasado. O ENEM é hoje o principal (mas não o único) responsável pelo ingresso de estudantes nas universidades públicas, como você sabe, e nas particulares, pode ser usado para conseguir bolsas. Ter o ENEM e o vestibular tradicional em algumas delas é uma segurança para os alunos, já que eles terão mais de uma chance para ingressarem em uma faculdade (escolher a universidade e o curso antes de saber se terá nota suficiente, para mim, é ilógico, não vejo como um “incentivo”). Além disso, essa questão de ter ou não ter condições para pagar uma faculdade é um debate superado. O Brasil fornece todas as condições para os estudantes, desde cotas até mesmo os sistemas de financiamento (como o Fies), que são relativamente fáceis de se conseguir. Sua colocação deveria ter sido: No Brasil, quem pode pagar, paga. Quem não pode, estuda do mesmo jeito, seja em instituições públicas, seja em privadas com bolsa, e quem quiser pagar só depois de se formar, pode financiar. 😉 Então, um dia eles chegam lá, não nós.

    1. Oi, Felipe. Eu não disse que o sistema brasileiro é ruim, apenas acho sim que o irlandês é mais justo. No Brasil vstibular funciona apenas pra quem vem de escolas particulares ou pode pagar cursinho. A estatistica de alunos ingressos de escola publica contra de escola particular é gritante.

      A universidade oublica tinha que ser ofertada a todos e graças ao sistema de vestibular e a devasagem do sistema publica de ensino, não é.

      Faculdade particular, no Brasil, é pra quem nao conseguir entrar na pública. ProUni, Fies e etc são progrmas pra permitir a esse jovem que não teve capacidade de passar na publica, cursar uma faculdade e isso é bom sim, não disse é ruim.

      Apenas não é justo.

      O sistema daqui continua sendo melhor. Ao menos na minha opinião.

      Um abraço!

Deixe uma resposta para Bárbara Hernandes Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.