Questões de cor e raça

Há um tempo atrás a Bárbara postou um texto maravilhoso refletindo sobre os conceitos por trás das palavras expatriado e imigrante. Palavras essas que no dicionário possuem exatamente o mesmo significado (pessoa morando fora do país de origem), mas que na prática apenas contribuem para a segregação racial.

Te aconselho muito a ler o texto dela antes de prosseguir com esse, estarei aqui quando voce voltar.

Antes de sair do Brasil eu nunca tinha experimentado nenhum tipo de discrimação racial. Sempre me considerei branco, minha certidão de nascimento diz que sou branco, venho de uma família branca, tenho antepassados italianos brancos e nunca ninguém questionou esse rótulo.

Daí eu vim pra Europa e assim, logo no primeiro dia, meu rótulo branco me foi arrancado e substituído pelo rótulo de latino. Latino, esse adjetivo que para muitos brasileiros médios, apenas não se aplica. Não falamos espanhol, não dançamos tango, não somos latinos.

Mas ué, nao pode ser latino e ser branco?

Pode, se voce ser loiro/ruivo dos olhos azuis/verdes. Qualquer outra tonalidade de pele e cor de olhos, se vindos da América Latina, é latino. Já encontrei italianos, espanhóis e portugueses considerados brancos com a mesma tonalidade de pele e mesma cor de olhos que os meus, mas eu nao sou.

Latin-America

No começo, assustou. Mas foi bom, pois foi esse choque que me abriu os olhos pra exergar o que acontece ao meu redor. De maioria branca no meu país, eu passei a fazer parte da minoria imigrante e de cor em outro. Isso mudou a minha percepção de mundo e de raças, me fez entender melhor o que são privilégios e, me fez entender igualdade de genero.

Alguns dizem que isso acontece porque o espectro da cor branca no Brasil é bem maior do que o Europeu e o Norte Americano, devido ao nosso clima, mas no fundo isso é apenas um jeito do brasileiro se agarrar ao máximo na ideia de ser branco. De ser europeu. De ser melhor.

Pouco mais de 3 anos morando fora me ensinaram muito e hoje, afirmo com todo o orgulho do mundo que sim, sou imigrante e antes de ser brasileiro, sou latino. Porque se a gente nao se unir e nao tomar posse e controle de quem somos, ninguém vai fazer por nós.

Resultado do sorteio – 4 anos de blog

Chegou o grande dia! Dia de contar pra voces quem ganhou o sorteio comemorando os 4 anos do blog! Recebi um total de 21 inscritos…bem pouco comparado aos 200 e poucos que leem esse blog diariamente (shame on you people).

Organizei os 21 nomes em uma planilha no Excel e usei o Sorteador.com.br pra realizar o sorteio. O número sorteado foi o número 2 e a vencedora é…Thaís Teixeira Tardivo!

1

2

3

Obrigado a todos que participaram! A Thaís já recebeu um email com os detalhes.

Split, a King’s Landing da vida real

Quando eu decidi passar uma temporada aqui em Rimini, eu já tinha em mente conhecer San Marino e a Croácia, que em uma primeira olhada no mapa, parece ser pertinho da Itália. Eu sabia que para chegar lá, era preciso pegar um ferry e no auge de minha ingenuidade, imaginei que levaria no máximo 5h pra cruzar.

Já com a ideia fixa na cabeca, comecei a pesquisar e constatei que a) infelizmente nao tem mais ferries de Rimini pra Croácia e b) o trajeto dura 11h. Nao deixei isso me abater e prossegui com minha vontade de conhecer a Croácia.

O ferry saiu de Ancona, cidade que fica a 50min de Rimini de trem ás 19h de sexta e chegou em Split, ás 07h da manha do sábado. Nao reservei cabine, entao tive que dormir no sofá, no deck. Por sorte, o sofá era bem confortável e eu cheguei em Split descansado e feliz.

split-ivan

Nao sei se pelo fato de a Croácia ser extremamente turística, ou por ser um país tao costeiro, ou por estar no auge do verao (30 graus), mas a cidade estava viva e agitada, logo de manha. Fui direto pro hostel, deixei a minha mochila e fui caminhar pela cidade. Nessa caminhada, já conheci o famoso Palácio Dálmatiano, que é  enorme e abriga todo o centro histórico da cidade.

Confesso que nao pesquisei nada sobre Split, a única coisa que eu sabia era que King’s Landing, de Game of Thrones, era lá. Minha ideia era fazer o tour oficial e aproveitar as águas cristalinas de Split. Apenas isso. Porém, ao chegar lá, fui informado que o tour oficial nao operaria até a próxima terca-feira, o que foi um puta balde de água fria nos meus planos.

Reconhece essa cena? Dica: explodiu no season finale!

Reconhece essa cena? Dica: explodiu no season finale!

Sem a possibilidade do tour, saí atrás dos locais de filmagens sozinho, já que todos ficam no centro histórico. Infelizmente, nao consegui linkar os lugares que visitei as cenas que eles apareceram, mas a foto acima, do alto da Torre da Cidade, foi fácil!

Conseguiu, reconhecer, também?

A Croácia é muito mais do que Split e 3 dias por lá nao é o suficiente pra ver nem 1/10 das coisas lindas que o país tem a oferecer, como o Parque Nacional Plitvice, onde ficam aqueles lagos de água cristalina, ou o Parque Nacional Krka, onde ficam as cachoeiras gigantes.

Mas como eu disse, eu fui sem pensar muito, com pouco planejamento e no final, acabei passando 2 dias e meio torrando nas praias maravilhosas de Split. Me arrependo? Nem um pouco, mas gostaria de ter aproveitado mais e ter visitado pelo menos um dos parques nacionais.

split-croatia

Rimini, a Ibiza italiana

Rimini, cidade localizada na costa leste da Itália, na regiao da Emília-Romana, banhada pelo mar Adriático e considerada por muitos como a Ibiza italiana.

A fama de Ibiza italiana comecou na década de 60, quando Rimini passou por uma incrível revitalização que transformou a cidade em uma riviera, atraindo turistas de todas as regioes da itália e também de fora. O termo riviera é usado porque além das praias, Rimini também possui uma extensa rede de hotéis, pousadas, restaurantes, bares e diversas outras opçoes de entretenimento.

Pelo fato do mar Adriático ser mais calmo do que os outros mares que banham o continente europeu, a costa leste da Itália e a costa oeste do leste europeu (Croácia, Albania, Montenegro) são bem disputadas entre os turistas. Desse lado do país, Rimini é a praia mais bem desenvolvida, tornando a cidade a melhor opção de praia no mar Adriático.

Rimini

Todo verão, Rimini atrai cerca de 1 milhão de turistas, vindo de vários lugares do mundo. Depois dos italianos, os turistas mais comuns por aqui sao os alemães, russos e espanhóis.

A extensão da costa de Rimini é bem grande e não existem praias particulares, mas em contra-partida, os “bagnos”, áreas reservadas na praia com guarda-sols, cadeados, cadeiras de praia e opçoes de lazer, estão por toda a parte. O acesso aos bagnos é pago, mas o acesso ao mar é gratuito em toda a costa.

Estou em Rimini desde o dia 13 de junho e na primeira semana, não notei uma grande quantidade de turistas e até achei que a praia estava caída, pois nunca haviam mais de 20, 30 pessoas espalhadas pela praia. Porém, do dia 20 em diante a situação mudou totalmente, os bagnos ficaram lotados e turistas surgiram do nada em todos os lugares da cidade. Perguntei o porque aos meus flatmates e eles me disseram que é porque a temporada só começa com o início do verão, que oficialmente começou dia 21 de junho.

Agora, toda vez que vou até a spiaggia (praia em italiano) tenho que disputar espaço com os inúmeros turistas, que tomam conta da praia com suas toalhas. Depois de 3 anos morando na Irlanda/Reino Unido, desacostumei a ver homens de sunga curta desfilando na praia, fato que me readequei rapidinho if you know what I mean. A mulherada também não vergonha e top less rola solto.

Enfim, acho que já passei a ideia pra voces, agora vou voltar pra praia.

Obs: vídeo acima nao é meu.

O que muda para cidadãos europeus no Reino Unido depois do Brexit

O Reino Unido votou e decidiu sair da União Européia. A decisão chocou muita gente, mas infelizmente o que foi decidido, foi decidido e agora é hora de se preocupar com o que vai acontecer e não com o que poderia ter acontecido.

O código europeu prevê no Artigo 50 o que acontece quando um membro pede para sair da União Européia, mas como nunca ninguém saiu, o Artigo 50 nunca foi posto á prova.

O próximo passo para o Reino Unido é notificar oficialmente a União Européia de sua intenção de sair, tal notificação deve ser feita por carta oficial ou por discurso oficial e deve ser feito pelo cabeça do estado, nesse caso o Primeiro Ministro. David Cameron, atual PM disse que o próximo PM irá lidar com isso, pois ele resignou do cargo. A UE, ~chatiada~ com o resultado do referendo, quer que a notificação seja feita o quanto antes, o que já coloca pressão no divórcio.

brexit

A partir da notificação, começa a contagem regressiva de 2 anos, em que o RU começará a negociar novos acordos com a UE, para que possa sair definitivo. Nesse período de 2 anos, nada muda. Europeus continuam tendo livre acesso ao RU e vice-versa. O que muda é que o Reino Unido não poderá mais participar de nenhuma decisão á nível UE, apenas poderá participar de reuniões sobre o seu futuro.

Caso o Reino Unido chegue a um acordo com a União Européia antes do prazo de 2 anos, tais mudanças só entram em vigor no fim do prazo. Caso eles não cheguem a acordo nenhum, o RU pode pedir extensão de prazo, mas para isso ele precisa da aprovação de todos os outros 27 membros restantes, o que não é tarefa fácil e bota ainda mais pressão no país pra chegar em um acordo dentro do prazo.

Negociações dentro dos 2 anos precisam ser aprovadas por pelo menos 20 membros.

Especula-se que cidadãos UE atualmente morando no RU manterão o privilégio depois dos 2 anos, mas isso só será confirmado depois que as negociações (que ainda nem começaram) forem encerradas.

Ouviremos falar muito ainda disso, pois a maioria dos votos SAIR votaram querendo medidas rápidas em relação a imigração e votaram sem ter conhecimento algum do Artigo 50. No momento e pelos próximos dois anos, cidadãos europeus ainda podem mudar e trabalhar no Reino Unido legalmente e o resultado do referendo pode ter gatilhado uma nova onda imigratória de cidadãos UE que gostariam de viver no RU e querem garantir (mesmo correndo o risco de terem que sair em 2 anos).

Sem contar que existe uma grande possibilidade do Reino Unido entrar para a AEE (Área Econômica Européia), assim como Noruega, Islândia e Lichtenstein. Os países da AAE tem a opção de aceitar ou não leis aprovadas pela UE, não são obrigados a adotar o euro como moeda e podem usufruir do mercado livre europeu, porém eles mantêm suas bordas abertas para cidadãos da UE. Se o Reino Unido aceitar ser da AEE, pouca coisa vai mudar e o maior ‘problema’ deles não vai se resolver.

Claro que eles podem negociar um acordo totalmente novo, mas que independente do resultado, quem vai sentir o tranco será a libra.

Preparem a pipoca, que essa história está só começando.

O futuro do Reino Unido fora da União Européia

Em fevereiro eu contei pra voces que o Reino Unido iria ter um referendo pra decidir se permanecia ou não um país membro da União Européia, do qual é membro desde 1975.

Pois bem, o Reino Unido votou e a decisão foi, 52% contra 48%, que o país irá deixar a União Européia.

O resultado chocou o país e chocou a política internacional. A libra atingiu o ponto mais baixo contra o euro na história (£1 = €1.23) e o então Primeiro Ministro, David Cameron, o arquiteto disso tudo, resignou essa manhã.

Como disse Dumbledore em Harry Potter, ‘scary times ahead’.

Na Escócia, o voto FICAR ganhou disparado, como voces podem ver no gráfico abaixo. O Partido Nationalista Escoces já emitiu uma nota que com a saída do Reino Unido da UE, a Escócia vai pedir outro referendo de independencia, pois a Escócia se ve um membro da UE. O País de Gales, supreendemente, assim como a Inglaterra (que já era esperado), votou SAIR em massa. O que é engracado, pois todo o dinheiro de infra-estrutura e de incentivo a língua galesa vem da UE, nao de Westminster.

Particularmente, estou muito chateado. Não sei o que acontecerá comigo nos próximos capítulos dessa história, mas existem papos de bastidores dizendo que cidadãos UE que já estejam no Reino Unido legalmente não serão afetados e terão direito a um visto de trabalho, mas isso não é oficial.

Enfim, um dia triste na história da Europa.

San Marino, a República mais velha do mundo – parte II

No primeiro post eu contei pra voces os fatos que fazem San Marino ser tão especial e diferente, nesse post eu vou contar o que fiz e o que tem pra fazer por lá.

Cheguei na Cidade de San Marino por volta das 10h da manhã em um sábado ensolarado e com meu mapa nas mãos, fui em busca de explorar o ponto turístico mais famoso do país, as Tres Torres Vigias. No caminho para a Prima Torre, passei em frente ao Escritório de Turismo, onde é possível (por €5), ganhar um carimbo no passaporte do país. Como San Marino fica no território italiano, eles não tem imigração, mas oferecem o visto de turismo como um souvenir.

O caminho para as torres é árduo e cheio de subidas íngrimes, mas vale muito a pena. A vista lá do alto é impressionamente! Um mundo de verde, de montanhas e de lagos, sem contar que a vista do mar Adriático é fascinante demais.

Visto do alta da Prima Torre

Visto do alta da Prima Torre

A Prima Torre é aberta ao público e o ingresso custa €4,50. Lá de cima, além da vista privilegiada de San Marino, também dá pra ver a Seconda Torre, que foi minha próxima parada. No caminho para a Seconda Torre, existe uma espécie de muralha de protecao, que chega a lembrar a Grande Muralha da China. Da Seconda Torre, a vista da Prima Torre é de tirar o folego!

Muralha pra chegar na Seconda Torre

Muralha pra chegar na Seconda Torre

Segui a trilha até a Terza Torre, que é bem menor que a Prima e Seconda, mas é tao bela quanto. As torres foram construídas entre 1.100 e 1.600 e serviram como proteção principal de San Marino na período medieval. Depois de visitar as torres, fui até o Palácio Público, onde fica a Estátua da Liberdade Sammarinese, símbolo da liberdade tão valorizada do povo de San Marino. No topo de sua coroa, é possível ver as Tres Torres.

Estátua da Liberdade

Estátua da Liberdade

Além disso, San Marino é recheada de museus interessantes e peculiares, como o Museu da Tortura, Museu dos Vampiros, Museu das Armas de Guerra, Museu de Cera, Museu da Imigração e também o Museu de História Natural e o Museu do Estado.

Pra mim, o melhor de San Marino não foram as atraçoes em si, mas sim a atmosfera do país, com suas ruelinhas de paralelepípedo, suas placas de pedra maciça e sua cara medieval. Como eu tinha minha camera comigo, resolvi gravar tudo que vi e preparei um vídeo pra voces. Dá o play e vem comigo!